Tópico Fixo: Investimentos

investimentosProvavelmente o tópico fixo mais pedido pelos bolhistas, eis um local para discussão exclusiva das mais diversas formas de aplicar seu dinheiro, com dicas, trocas de informações e conselhos para iniciantes.

Lembre-se: a discussão e acompanhamento sobre mercado e opções continua sendo feita nos tópicos do dia. Este espaço é unicamente para centralizar e organizar conteúdo relevante e atemporal.

  • jack 19/12/2016 at 21:36

    Firssst!!

    • bolha buritis 19/12/2016 at 21:40

      First de MG

    • Zé do ranho 19/12/2016 at 21:44

      PMJ!

  • Libertario 19/12/2016 at 21:36

    First (já que precisa ter)

    • Marcus A 19/12/2016 at 21:42

      Pódio FECHADU!

  • Barnabezinho 19/12/2016 at 21:48

    Pergunta 1: Tenho só TD, nada mais. Sou um cagão nato em coisa de dinheiro. Se eu fosse corajoso para dar um novo passo além desta coisa, qual seria o mais indicado neste momento?

    • Viking 20/12/2016 at 08:08

      LCI e LCA de bancos pequenos….confiando no FGC =)

      • From_The_Tower 20/12/2016 at 08:45

        Voto com o nobre guerreiro nórdico !

        • Barnabezinho 20/12/2016 at 10:48

          Valor mínimo, não tem, certo? poderia pegar LCA na Easynvest caso aparecesse?

          • Viking 20/12/2016 at 12:32

            cada LCI e LCA tem seu próprio mínimo. tem umas que são 1k, outras 5, 10k, ai tem que ver o q teu orçamento comporta

          • Viking 20/12/2016 at 13:10

            valor mínimo varia, assim como a carência, tem de 1, 5, 10k…vai de quanto voce pode investir, e por quanto tempo.

            • Lobo Bolhista 21/12/2016 at 10:32

              Banco Daycoval tá com a saúde financeira legal (fonte: Banco Data) e tem LCI/LCA a partir de 1k

              Já fiz diversos investimentos e resgates por eles =)

  • pequenoBolhudinho 19/12/2016 at 22:04

    Hoje possuo minha aplicações em LCI, mas penso que no futuro teremos uma subida da taxa do TD, qual seria uma taxa mínima para entrar no TD?

  • Bolhossauro Rex 20/12/2016 at 06:51

    Caros, vou começar com uma questão que muito me aflige: tenho uma grana boa em doletas, mas há tempos que perdi a janela dourada dos 4,00 e TD a mais de 7 por excesso de ganancia e por não ter ainda conhecido o BOB. Pelo menos consegui manter um terço do capital no Brasil com boas taxas. Daí pergunto, vale a pena deixar as verdinhas paradas esperando nova janela dourada, acima de 3,60, por exemplo, ou mando logo parte por BR e faço preço medio?

    • Barnabezinho 20/12/2016 at 10:48

      cara, espera até março do ano que vem. SE o TD bombar o dollar vem junto, e tu troca um por outro.

      • Bolhossauro Rex 20/12/2016 at 12:13

        Pois é, Barnabezinho, eu quero ver se rola essa janela de ouro novamente, em que eu possa trocar doletas a uma taxa boa e pegar TD bombando! Valeu pela dica! Vou aguardar mais um pouco então. Se depender de como as coisas vão na Banânia, 2016 vai deixar saudades…

  • Viking 20/12/2016 at 08:07

    o link para o material disponibilizado pelo From The Tower
    https://drive.google.com/drive/folders/0B3zPBYtej7L1eXZXMG85dzQwOTA?usp=sharing

    • From_The_Tower 20/12/2016 at 08:44

      Data vênia , esse material é o do glorioso bolhista Bellini. 😉

      • GordoNerd 20/12/2016 at 13:19

        Cara, tem alguns desses que vocês recomendam pra começar?

        • From_The_Tower 28/12/2016 at 22:17

          As pastas do Leandro & Stormer

  • From_The_Tower 20/12/2016 at 08:43

    Sendo honesto: Não sei se aguentarei tamanha opressão dessa turma sem Carlinhos Márquis no corassaum !

  • Pedro 20/12/2016 at 22:10

    ARDAM!

  • From_The_Tower 28/12/2016 at 22:17

    UP .
    Prometo para final de Fevereiro mostrar o caminho das pedras para investimentos em renda fixa e renda variável nos EUA.

    • Numiers-Doc 29/12/2016 at 02:16

      Yeahhh! No aguardo, pois por enquanto só estou na renda fixa bananense!

  • Numiers-Doc 29/12/2016 at 02:18

    Camaradas BoBistas, se puderem por gentileza, gostaria que colocassem aqui os sites q vcs indicam p/ estudar/aprender/discutir sobre investimentos na BNN e nos USA! Obrigado!

  • Pobre Paulista 03/01/2017 at 09:22

    Deixando meus 5 centavos: Vou explicar como funciona uma NTN-B.

    As características desse título são:

    1. Sua principal característica é o VNA (Valor Nominal Atualizado). O VNA foi fixado como R$1.000,00 em 15/07/2000 e é corrigido diariamente pelo IPCA. Para saber o VNA atual do papel, consulte no site da ANBIMA: http://www.anbima.com.br/vna/vna.asp (O código do papel é 760199).

    2. Até a data de vencimento, o título lhe renderá um juros de 6% ao ano sobre o VNA vigente na data do pagamento, este pagamento se chama cupom de juros.

    3. O pagamento dos cupons é na verdade semestral, então a taxa efetiva de cada cupom é (1+6%)^(0.5) -1 = 2,96%. Note que, por definição, esse valor também é atualizado pelo IPCA, pois é calculado sobre o VNA. Portanto, ao comprar uma NTN-B, você tem pagamentos semestrais corrigidos pelo IPCA até o vencimento do título.

    4. Existem diversos títulos com vencimentos diferentes. Podemos sempre acompanhar os que estão disponíveis para compra no site do TD: http://www3.tesouro.gov.br/tesouro_direto/consulta_titulos_novosite/consultatitulos.asp .

    4b. Existem também variações nas datas de pagamento dos cupons: Algumas NTNB pagam cupom em Maio/Novembro e outras em Fevereiro/Agosto (Veja aqui: http://www3.tesouro.gov.br/tesouro_direto/consulta_titulos_novosite/download/pagamento_CUPONS.pdf ). Considere isso caso queira ter um fluxo de pagamentos regular.

    5. Na data do seu vencimento, lhe será devolvido o VNA do papel naquela data em dinheiro.

    E é isso. Analisando a fundo esse papel, podemos compará-lo a uma ação de uma empresa que se valoriza de acordo com o IPCA e paga um dividendo de 6% ao ano.

    Agora a pergunta: quanto vale esse papel? Quanto se deve pagar por um título com essas características? Como isso se correlaciona com a atual taxa selic? Qual será meu retorno líquido nesse investimento? Quanto morre de imposto? Dá para especular com esse título? Isso é assunto para um segundo post: Como precificar uma NTNB.

  • Portuga 10/01/2017 at 16:59

    Pessoal,

    Como achava muito complexo comparar os rendimentos de diferentes investimentos em renda fixa (Tesouro, LCI, CDB, Etc), mesmo com os simuladores de sites de investimentos, montei a minha própria:

    http://ge.tt/57X65Hi2

    Como não me cadastrei no ge.tt, o link para download do arquivo irá expirar em 30 dias (09/Fev). Caso alguém precise depois disso, só me avisar que eu mando de novo.

    • Yokiko 12/01/2017 at 14:02

      Baixado! Valeu Portuga!
      Só uma observação de iniciante, TD não tem garantia do FGC, na planilha ta constando que sim.

      • Portuga 17/01/2017 at 09:02

        Perfeita observação!
        (Maldito ctrl+c ctrl+v… kkk!)

  • Numiers-Doc 12/01/2017 at 00:06

    Investindo em conhecimento!
    https://www.edx.org/

  • Pão de queijo com café 13/01/2017 at 20:03

    Pessoal,

    Na leitura do blog no final do ano – muito pelos côcos – eu vi alguns comentários sobre investir nos EUA, pra quem seguiu o Manual do Anom. Meu caso.

    Alguém tipo “captou” a síntese ou a conclusão da coisa?

    Operações viáveis/promissoras para uma cestinha de PdQ como eu?

  • From_The_Tower 02/03/2017 at 14:39

    Olá pessoal. Como prometido começarei a discorrer sobre opções de investimentos financeiros nos EUA.

    Passo a passo para abrir uma conta em corretora de valores nos EUA.
    Caso 1 ) Interactive Brokers
    https://www.interactivebrokers.com/en/home.php
    https://www.interactivebrokers.com/en/index.php?f=564

    Essa corretora me foi indicada lá no Bib. AlexJLL me forneceu umas dicas na época.
    Acessem o site da IB no menu “Open an Account” >https://www.interactivebrokers.com/inv/en/main.php#open-account
    Start Application> Forneça seu email > UserName > País de residência
    Seu e-mail será verificado. E partir desse ponto você poderá preencher todas as informações e formulários, inclusive o W8-BEN que trata-se do formulário para estrangeiro não-residente.
    É possível monetizar a conta de várias maneiras:
    Deposit: Iniciada pelo seu banco americano (ACH) sem custos;
    Iniciada por você via seu banco americano (ACH), sem custos;
    Bill payment
    Check
    Wire Trasnfer (não recomendo pois tem custos altos e o preenchimento dos dados precisa ser perfeito)
    ACH é como se fosse um débito em conta. Você seleciona para que a Interactive Brokers inicie uma operação de identificação da conta. Eles irão lançar pequenos créditos e débitos na conta americana informada e depois de verificado , você pode enviar o quanto desejar de dinheiro. Leva de 04 a 05 dias úteis para a devida efetivação.
    Feito isso, você receberá um número de conta. A Interactive Brokers exige como depósito inicial 10.000,00 dólares (USD) . Eu tive sorte. Minha conta de 2015 ficou inativa pois eu a não monetizei e quando eu a reativei em 2016 eles não exigiram os 10k. Consegui enviar menos que isso. Para quem não quer começar com os 10k USD iniciais a alternativa é a corretora DriveWealth. (infos abaixo)

    Após a monetização da conta , será necessário baixar a plataforma de negociação. O Home Broker . No caso e ó Trader WorkStation. https://www.interactivebrokers.com/en/index.php?f=14099
    Eu até hoje só operei comprando e vendendo ações. Cada ordem de compra ou venda custa 01 USD. Para as demais operações como opções, day trade, etc eu não sei informar os custos. Pesquisem. 😉
    Toda vez que você acessar o site da Interactive Brokers ou o Home Broker será preciso informar o seu login, senha e códigos do cartão de senhas. O cartão de senhas será enviado para vosso e-mail. Imprimam e plastifiquem de preferência.
    Outra opção de corretora é a DriveWealth.
    Caso2) DriveWealth:
    [email protected] 97 Main Street, Second Floor, Chatham, NJ 07928
    DriveWealth, LLC opera uma plataforma de investimento móvel para investidores individuais. A sua plataforma oferece uma seleção de fundos negociados em bolsa e os estoques listados nos EUA e conteúdo educacional para ajudar os investidores a entender as finanças eo investimento básico. DriveWealth, LLC foi fundada em 2012 e é baseado em Morristown, New Jersey.”

    Trata-se de uma corretora alternativa que aceita pedidos de frações de ações e várias formas de monetização da conta, como: Cartão de crédito, Bitcoins, Remessas de outros países, cheques, etc.
    Eu fiz o cadastro mas nunca monetizei a conta. Eles exigem foto do passaporte, informações pessoais diversas e e-mail. Oferecem aplicativo para Android e IOS.
    Em breve mais informações. Abraço.

  • Suuper 02/03/2017 at 15:39

    From, boa tarde

    uma info adicional. Tenho conta da DW e os depósitos em BitCoins estão suspensos e sem previsão de retornar. Veja abaixo o último email que recebi sobre isso.

    “FEB 07, 2017 | 09:55AM EST
    Alexander replied:
    Hello XXXXXXX,

    Unfortunately, due to regulatory requirements we were required to remove Bitcoin funding from the platform momentarily. It is currently being reviewed by compliance and we will be sure to let you know when it is back on the platform.

    Regards,
    Alex
    DriveWealth Support”

    • From_The_Tower 06/04/2017 at 15:11

      Boa tarde,
      obrigado por nos informar.

  • Mat 10/03/2017 at 20:32

    Por sugestão do amigo Doc vou tentar compartilhar o pouco que seu sobre investimentos, especialmente em RV.

    Antes de mais nada, é preciso informar que nada do que será escrito abaixo é uma recomendação, dica ou aconselhamento. Um investimento pode ser ao mesmo tempo um instrumento de crescimento ou perda, e deve ser abordado com todo cuidado.

    Quando se trata de investimentos, o primeiro passo é o auto-conhecimento. Uma pessoa que não se conhece não é capaz de fazer escolhas corretas para sua vida. Assim, é fundamental conhecer suas capacidades e limitações, pois são elas que irão definir o limite de seu sucesso, a hora de agir ou de recuar.

    O meu perfil de investimentos surgiu do contexto em que vivo, o ambiente tanto familiar quanto econômico que me cerca. Somos agricultores desde o tempo em que falávamos outra língua. Agricultores tem uma característica em comum: perseverança, paciência, e a aceitação do risco operacional como um cotidiano em sua vida. Nunca sabemos se a semente lançada vai dar lucro ou prejuízo, se choverá ou não, se algum mal intencionado colocará fogo no seu pasto. Assim, é relativamente comum agricultores a partir de um certo porte investirem no mercado de ações.

    O mercado de ações surgiu para mim pelas histórias contadas pelo meu avô. Na década de 60, ele vendeu uma propriedade e colocou todo dinheiro em ações do Banco do Brasil. Com estas ações, vendendo aos poucos, ele conseguiu custear toda sua velhice (principalmente tratamentos médicos) sem precisar dispor das propriedades rurais, garantindo assim liquidez para a necessidade e segurança para os herdeiros.

    Mas não foi sempre assim a cultura em casa. Meus pais sempre foram muito resilientes ao investimento em ações. Isto causou na minha família um comportamento curioso: um nível muito baixo de “disponível” e alto de “imobilizado”. Nosso disponível sempre era os grãos no armazém, para serem vendidos quando necessário. Como todos sabemos no blog, imóveis são elefantes brancos de difícil monetização. Sentia, com clareza, a necessidade de investir em ativos mais líquidos.

    Classicamente, investimos por natureza em poupança, como todo brasileiro. Esta jabuticaba centenária surgiu como a caderneta de depósitos lá no tempo do império, cujo objetivo claro era captar a custo baixo para disponibilizar a uma taxa maior. Pelo próprio princípio de funcionamento da caderneta de poupança, é algo que dificilmente te colocará na ponta ganhadora.

    Porém, antes da invenção do Tesouro Direto, era uma das poucas alternativas viáveis. Os investimentos em CDB, nos anos 2000, eram milimetricamente calculados para pagar um mínimo acima da poupança, quando muito. Continuamos na ponta perdedora até ao advento do TD em plataformas on line. Seriamente, aquelas taxas de 16,5% no pré-fixado ou 7,3% no IPCA são verdadeiras dádivas que banco nenhum compartilharia via fundos, principalmente da impossibilidade de travar taxas tão altas por um longo período de tempo. Por isto, em minha abordagem, tenho destinado 70-75% de meu capital não imobilizado a investimentos de renda fixa que realmente valham a pena. Porém, como todo investimento, é preciso saber agir.

    Nenhum mortal prevê o futuro. Nenhum mortal possui informações privilegiadas. A saída neste caso é reagir aos fatos: se um título está com taxas altas, compre. Se as taxas estão ruins, não compre. Simples assim. Não está contente com as taxas, fique em stand by em alguma aplicação de liquidez imediata, como o TD Selic ou CDB.

    Agora a realidade: é muito mais fácil identificar o ponto de compra do que o ponto de venda. Além disso, é aí que entra o perfil do investidor. Quem gosta de girar, vende quando as taxas caem e “volta pra butuca” esperando o mercado reagir para recomprar. Meu estilo é diferente: faço movimentos lentos, ajo como aprendi de meus pais e avós, pensando na escala de décadas a frente. Para mim, se um título foi comprado a taxas elevadas, por que vender?

    Até hoje liquidei investimentos de renda fixa apenas uma vez, para comprar um imóvel. Antes de jogarem o fogo grego sobre mim rsrsrsrs, digo que não me arrependo. Comprei em uma época em que renda fixa não pagava nada e os preços não eram esse absurdo que estão hoje.

    Mas, voltando ao ponto, quando vender? Talvez, na minha filosofia, a resposta seja nunca. Invisto o que não preciso. Antes de investir, garanto que todos os aspectos de minha vida estejam confortáveis (casa, carro, diversão, crescimento pessoal). Vai para o investimento realmente aquilo cuja falta não prejudica meu bem estar. É claro que, tecnicamente, sou frugal, pois guardo uma porcentagem elevada de meu salário. Porém é importante que todos que lerem este texto tenham em mente que tenho dificuldade em vender. Afinal, se tenho uma vida ótima, não preciso do dinheiro e montei posições vencedoras, pra que vender?

    Talvez um dia me encante por uma fazenda, queira fazer um curso de piloto ou fazer filhos até completar um time de futebol, sei lá. Na minha filosofia de investimento em renda fixa, sempre tive a impressão que a saída não é tão importante. A compra ao bom preço, esta sim, é o verdadeiro caminhão de abóbora que devo perseguir. Comprando a uma boa taxa suas chances de perder no longo prazo, por um spread de taxas maiores, serão pequenas. Caprichar na entrada é 70% da brincadeira.

  • Mat 10/03/2017 at 21:37

    Agora vamos às ações.

    Pelo próprio contexto que expliquei no post anterior, sou um fundamentalista na escolha e grafista no tiro. Explicarei.

    Minhas fontes de renda primária (agricultura) e secundária (salário) são totalmente distantes da área econômica ou contábil. Desde cedo senti necessidade de crescer em campos como direito, economia e contabilidade. Comecei com as leituras simples como Pai Rico, Pai Pobre, O homem mais rico da babilônia, Como se tornar um investidor de sucesso (Elder) etc etc enfim, estes best sellers das livrarias Cultura da vida.

    Foram livros ótimos para me inserir no mundo dos investimentos, porém extremamente limitados em termos táticos. O Kiosaki me diz que é legal investir em ações, ok, mas como operacionalizar a coisa?

    Comecei como grafista e em pouco tempo senti que a coisa não era para mim. Ficar acompanhando o mercado a toda hora tira meu tempo para minha família, trabalho, as fazendas, enfim, já tenho bastante coisa para fazer no dia a dia. Neste ponto, participava ativamente do fórum BRSM, onde conheci figuras mitológicas do investimento em ações no Brasil como Matumafa, Coelho, Yo… (já falecido), Zebra, Ser-, Grafista de BsB. Aquele fórum era muito produtivo há uns 15 anos atrás e consistia numa miríade de pessoas com todo tipo de filosofia possível: grafistas, fundamentalistas, pessoal do forex, operadores de opções… Foi um início ótimo pois ali pude ter contato com a filosofia de investimentos que melhor se adaptava ao meu perfil. O “buy and hold”.

    Comecei a estudar a fundo a Página do Ser-, as idéias de Warren Buffet, Charlie Munger. E fui pescado, arrebatado, por um pensamento de WB mais ou menos assim: se você tem uma fazenda linda, produtiva e rentável há 50 anos, por que vender só porque a economia da Chechênia deu um espirro (numa alusão aos investidores que compram e vendem a todo momento por qualquer motivo)? O mesmo se aplica a um ação: se vc comprou uma participação numa empresa fantástica, lucrativa há décadas, e por um preço bom, por que vender só por um espirro da bolsa?

    Era isso, caía como uma luva para mim!! Comecei a estudar a análise fundamentalista com afinco. Tracei um plano lógico: para escolher empresas, preciso conhecer seus aspectos contábeis. Devorei os livros do Sérgio de Iudícibus.

    Naquela época, tudo era mais difícil. Gráficos de liquidez, ROE, margem, montava tudo no Excel coletando dados do site da Bovespa. Agora, há pessoas que lucram disponibilizando este tipo de dado de graça na rede!

    E o melhor, organizadamente e com dados históricos. Vejam que moleza:

    http://www.fundamentus.com.br/graficos.php?papel=wege3&tipo=1

    Uma vez tendo um sólido conhecimento de contabilidade (Sérgio de Iudícibus, Graham, leituras de blogs especializados) fica fácil olhar para os gráficos de receita, margem, ebit e lucros, ativos, passivos e patrimônio e diferenciar uma boa empresa de uma empresa ruim.

    Seguem boas sugestões de leituras on line, todas resumidas abaixo:

    http://www.fundamentus.com.br/consciente.php
    http://www.fundamentus.com.br/pagina_do_ser/

    Vejam exemplos de perfis contábeis de empresas bem sucedidas:

    http://www.fundamentus.com.br/graficos.php?papel=wege3&tipo=2
    http://www.fundamentus.com.br/graficos.php?papel=BBDC3&tipo=2

    Prestem atenção no último gráfico, o que realmente vale para os minoritários: o lucro. Para Weg e Bradesco, lucros consistentes ao longo dos anos. É claro que nem sempre o lucro de um trimestre será maior que o outro, mas é fácil comparar uma empresa solidamente interessante para investir com o mico abaixo:

    http://www.fundamentus.com.br/graficos.php?papel=FBMC4&tipo=2

    Vejam que tragédia… receitas caindo, prejuízos, atividade operacional um fiasco, enfim… é como se vc fosse comprar um imóvel (kkk vai dar ardência no coração da galera). Weg é aquele imóvel na cabeceira do bairro, aquela avenida cobiçada onde passa gente pra caramba, e todo mundo quer montar sua padoca ali (né From srsrs).

    Simples assim. Porém, nada é imutável. É possível investir e ganhar com Fibam, comprar e esperar pelo turn around, mas não é o tipo de investimento que me atrai. Gosto de empresas sólidas, lucrativas e bem administradas. Comprar boas empresas é a primeira blindagem no chamado “controle de risco”.

    Isto é meio intuitivo. A chance de dar errado comprando uma empresa em dificuldades financeiras é obviamente melhor. E aí está a mágica do mercado de ações: ele é democrático, permite a qualquer um ser sócio de alguns dos melhores negócios do país.

    Tendo isto em vista, uso as ferramentas contábeis para escolher um roll de empresas para investir. Para mim 10 empresas é o suficiente. Não tenho tempo para ficar olhando muitas.

    Legal, ensinei a vcs como estudar para escolher as empresas. Mas, e agora?

    Como expliquei no post anterior, o preço da compra é 70% da brincadeira. Uma compra bem feita, no preço correto, dá a segunda barreira de blindagem ao investidor caso algum cisne negro (o imponderável) apareça.

    Aí caímos no famoso “valuation”. Aí é que a coisa complica. Meu primeiro contato com valuation foi através do livro O Investidor Inteligente. Nele, o guru master Ben Graham ensina a suar o preço sobre valor patrimonial (PVP) e preço sobre lucros (PL) para avaliar se uma ação está cara ou barata. É uma ferramenta rudimentar.

    Exemplo prático.

    Pela filosofia de Graham, se o produto PLxPVP for menor que 18, a empresa está barata.

    http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=EZTC3&x=0&y=0

    Vamos analisar o caso da Eztec, uma das construtoras mais bem administradas da bovespa.

    PVP 1,14
    PL 12,06
    PL x PVP < 18

    Há então está barata! Vou comprar! (claro que não né, todos no blog sabemos a realidade do mercado imobiliário e por enquanto, melhor olhar de longe).

    Ok, vamos analisar Ambev então, afinal entendo tudo de cerveja (*considero uma estratégia interessante investir naquilo que consumo, ainda mais se representar um porcentual alto de meus gastos rsrsrsrsrs: estarei me auto pagando dividendos, e beberei com menos dor na consciência rsrsrs)

    http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=ABEV3&x=0&y=0

    PL 21
    PVP 6
    PL x PVP = 120

    Putz, nunca vou comprar Ambev por essa filosofia.

    Aí é que a coisa complica… a técnica de Graham era legal para o mercado americano na década de 1940. Como agir agora?

    Estudei com afinco a técnica de fluxo de caixa descontado. Considero o livro do Alexandre Póvoa "Valuation" uma boa leitura (apesar de ter abandonado totalmente os cálculos).

    O fluxo de caixa descontado nada mais é que projetar os lucros de uma empresa no futuro, utilizando sua taxa de crescimento histórico de lucros, e trazer o valor da ação para o presente utilizando uma taxa de desconto, que pode ser o custo de capital da empresa, ou mais sabiamente, o seu custo de oportunidade (Selic).

    O problema desta técnica: todo mundo usa. É a técnica que os analistas utilizam para soltar os relatórios de "preço justo". Há, tal ação está cotada a 16 mas o preço justo no final do ano é 18 reais, então há um desconto de 15% e vale a pena comprar.

    Esta técnica, ao meu ver, não funciona, por um motivo muito, muito simples: ninguém garante que a cotação vá subir. São tantas variáveis que podem influenciar o futuro daqui a um, dois anos, que não há garantia nenhuma de que o produto de uma simples equação vá funcionar.

    Então, como eu faço? Vou revelar a coisa mais besta e mais poderosa que aprendi nesses tantos anos estudando investimentos.

    Escolhida a empresa desejada pela análise fundamentalista, quando entrar? Quando a ação estiver na liquidação, ora pois! Eu não sou mais inteligente ou esperto que o mercado. Se o mercado diz que hoje um papel vale 16 e amanhã vale 18, ele está correto. O mercado é um conjunto de milhares de mentes esmigalhando dados, e o preço é o consenso da multidão sobre todas as características daquela empresa, do mercado que ela está inserida, do país e do planeta.

    Quem sou eu para querer prever, discutir ou bater de frente com um consenso tão forte?

    Ciente de que tentar prever o futuro é bobagem, como posso eu definir a melhor hora de entrada?

    Simples, guando o papel cai. Escolhi uma empresa fantástica como Ambev, quero ser sócio dela, vou comprar quando o preço cair. O motivo da queda? Pode ser um terremoto na Itália, um ataque terrorista no Kwait, um holder de grandes posições querendo fazer caixa, um presidente dando uma declaração polêmica, sei lá. A única e simples forma é assumir um risco mais alto, comprando quando os outros estão vendendo. Não tem outro jeito.

    Vamos analisar um exemplo prático. Tudo o que precisamos é um gráfico de preços de longo prazo, como o mostrado abaixo:

    http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=ABEV3

    Me decidi a comprar ABEV3 na metade do ano passado. Comprei no começo de janeiro deste ano. O motivo? A cotação caiu. Vejam o gráfico acima, se vc traçar uma linha de tendência na parte inferior do gráfico, mesmo que mentalmente, verá que o mercado quando faz liquidações de ABEV3 sempre a joga num patamar mais ou menos histórico de baixa.

    Minimizei meu risco de longo prazo escolhendo uma empresa sólida, histórica e lucrativa.

    Minimizei meu risco de médio prazo comprando esta boa empresa por um preço menor que outras pessoas pagaram por ela no passado recente. Ou seja, condicionei meu lucro ao risco que assumi.

    É o melhor que um mero mortal como eu pode fazer. Agora é sentar no papel e tocar a vida em frente.

    Outro exemplo, WEGE3. Fiquei meses cozinhando dinheiro em TD Selic até o papel corrigir a estilingada que deu em 2015.

    http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=WEGE3

    Estou doido para aumentar posição em ITUB3, mas nestes preços de agora não dá, está nos pícaros da loucura:

    http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=ITUB3

    E aumentei recentemente posição em BRFS3: uma boa empresa sofrendo um contratempo momentâneo, que será equacionado pela bela safra de milho/soja que o país acabou de colher:

    http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=BRFS3

    Bom pessoal, gostaria com estes posts expressar minha gratidão e contribuir ao blog que tanto bem tem me feito. Frequento o espaço desde os tempos imemoriais, e fico feliz em assentar meu humilde tijolo (kkkkkkkk mil vezes kkkkk) nesta grande obra!

    Dedico este texto ao From… cara vc é demais.

    Um abraço a todos, firme com o bolso fechado!

    • g.w. bush 10/03/2017 at 22:21

      Nota dez Mat. Obrigado por compartilhar esse conhecimento!

    • Numiers-Doc 10/03/2017 at 22:46

      Caramba, Mat! MITOU GRANDÃO! CLAP CLAP CLAP

    • windville 11/03/2017 at 12:20

      Obrigado Mat, grande contribuição.

    • Pão de queijo com café 11/03/2017 at 12:32

      Que aula.

  • Onion 10/03/2017 at 22:01

    Obrigado Mat.
    Grande contribuição!

  • Rodrigo 10/03/2017 at 22:08

    A inteligência está na simplicidade.
    Parabéns Mat e obrigado por compartilhar.

    • Mat 13/03/2017 at 22:21

      Opa valeu pessoal, foi um prazer contribuir

  • Mineirausfall 13/03/2017 at 20:19

    Ferramenta para acompanhamento de taxas do TD ao longo do tempo (postada por Veigalex).

    http://www.bolhabrasil.org/boteco-de-sexta-feira/#comment-325800

    Muito massa os dois textos do Mat.

  • Mat 08/04/2017 at 11:26

    Teoria dos dividendos justos

    Existe uma teoria não muito formal, de que o preço de uma ação é “calibrado pelo mercado” de uma tal forma que seu dividendo médio seja um valor considerado justo ou aceitável. Se eu não me engano era uma teoria do Decio Bazin.

    Agora vejam que coisa: em várias postagens temos constatado que o valor do aluguel versus preço de venda “pedido” tem resultado em uma rentabilidade anual de 3,0% mais ou menos.

    Olhando o DY de alguns papéis de empresas relativamente estáveis na bolsa:

    Itub 4 %
    Abev 3,2%
    Bbas 2,0%
    Bbdc 3,8%
    wege 2,1%

    Atuo no ramo rural e garanto para todos, não se tira líquido nem 3% do valor das terras nem aqui nem nos EUA (agricultura estilo plantation, se for plantar cenoura no esquema japonês dá um pouco mais é claro).

    O fato é que a rentabilidade de diferentes ativos está muito socada para baixo. Eu me lembro que uns 15 anos atrás não era assim, era normal encontrar na bolsa papéis com DY de 8 ou 9%.

    Será que foi o QE americano que inundou o mundo de dinheiro sem lastro que socou as rentabilidades dos ativos reais para um valor tão baixo? Teremos que nos acostumar com isso ou tudo é uma grande bolha pronta estourar?

    Dúvidas muitas dúvidas

    Link

    Mat 06/04/2017 at 19:29
    É curioso ver os papéis bananeiros com DY padrão americano. Entendo que o DY deles é baixo pq as taxas de juros dos títulos deles são baixas, mas qual o sentido de replicar o modelo deles aqui, se aqui os juros são 12%?

    O fluxo de grana na Bobesta é quase todo gringo. Esses caras não sabem fazer conta? Qual é o pulo do gato que eu não peguei?

    Link

    Pobre Paulista 06/04/2017 at 19:44
    Cara, os preços dos ativos estão distorcidos ao extremo.

    Lembro de um post do Hélio Beltrão de alguns anos atrás: A quantidade de dólares (estamos falando somente de UMA moeda) é suficiente para comprar o planeta inteiro três vezes.

    É óbvio que existem distorções severas nos preços de tudo quanto é coisa.

    A começar pelos imóveis na Banânia ?

    Link

    Pobre Paulista 06/04/2017 at 19:45
    *A quantidade de dólares existente hoje

    Link

    Pobre Paulista 06/04/2017 at 19:50
    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1631

    não são três, s

  • From_The_Tower 11/04/2017 at 11:17

    Devidamente autorizado e devidamente autorizado para a divulgação:
    “Passos para se abrir uma conta por lá, atualizado.

    1 – É necessário acessar a página do banco do Peter Schiff pelo website “www.europacbank.com”

    2 – Em seguida vá até a opção “Our Products –> Account Opening”. Lá tem uma explicação sobre o processo e o checklist de documentos.

    É preferível que se consiga os documentos no ckecklist, antes de preencher o formulário online, para agilizar o processo.

    Os documentos contidos no Checklist são os seguintes:

    – Carta de Referencia do Banco. Contém seus dados e informa a idoniedade do correntista. O gerente deve fornecer esta carta.

    – O “Personal Bank Contract”. Baixado, impresso, preenchido e assinado. É baixado na mesma página do checklist.
    – As cópias (xerox) autenticadas em cartório de:
    –– Preferencialmente as duas folhas do passaporte aonde contém a foto e dados pessoais, inclusive emissão e validade.
    –– Uma conta(água/luz/telefone) recente, contendo endereço

    3 – Seguindo as instruções, preencha o “Secure Registration Form”
    Seja honesto e preencha com total certeza todos os campos, pois eles serão analisados depois.

    4 – Feito isto, no dia seguinte ou mais cedo possível, o sistema te enviará um e-mail, solicitando que você responda com o “Pre aproval form” preenchido em anexo.
    Este formulário é baixado em “Products –> Account Opening”, e pede maiores detalhes de nome, endereço, montante, frequencia, etc.
    Este formulário tem um campo pra você detalhar do por que quer uma conta.
    Seja sucinto na explicação, mas se tiver preguiça, use esta justificativa como modelo: 🙂

    “Because of the uncertainties of Brazilian economic policy, and fearing a Brazilian currency´s maxi-devaluation in the future, I would like to open a savings account, to preserve the value of my savings and protect my savings against eventual confiscation from Brazilian Central Bank.”

    5 – Algum tempo depois, um gerente do banco vai ligar pra você, e além de se apresentar, vai agradecer a escolha pelo banco, e avisando que recebeu os formulários iniciais, e que vai entrar em contato assim que terminar a análise.

    6 – No dia seguinte, o mesmo gerente vai mandar pra você um e-mail dele, avisando que ele é seu “gerente de relacionamento”, falando sobre o banco e seus produtos, e que está a disposição para tirar eventuais dúvidas, passando telefone, e-mail e skype para comunicação.

    7 – Em pouco tempo, nova ligação do gerente, e vai questionar coisas como “por que quer abrir uma conta, de onde conhece o banco ou o Peter Schiff, o que você pretende, etc. Seja honesto e sucinto.

    8 – No dia seguinte o gerente vai te mandar um e-mail que pede os documentos que estão no ckecklist, mencionado no item 2. É possível optar por um dos modos de envio:
    – fax
    – escaneado em pdf por e-mail
    – via FEDEX

    9 – Nova ligação do gerente, para conversar mais um pouco, fazer mais perguntas e agradecer pelo envio dos documentos, e aguardar nova análise.

    10 – Em pouco tempo você deve receber um e-mail de boas vindas do Euro Pacific Bank, informando os dados para o login do internet banking.

    11 – No primeiro acesso, vai estar disponível somente informações cadastrais e de senha para serem atualizadas. Não se preocupe que é normal isto.

    12 – Em pouco tempo, chega o aviso via e-mail que a conta foi ativada, e as informações para realizar os depósitos. A conta vai estar ativa no Internet Banking.

    13 – Até o momento temos os seguintes modos de envio

    – BB (Cortesia do axiolab)
    Vai no caixa de mesa, peça para fazer um swift
    informe que o banco beneficiário é o epblvcvc que fica em kingstown em são vicente 705 tambem informe a conta de la. Dai eles não vão ter no sistema esse banco. Entao tu informa que ira ser por um intermedario o jp morgan chase chasu33 new york. Vão pedir o endereço do beneficiario no meu caso eu disse que nao tinha e coloquei apenas a cidade kingstown e chegou la.
    Olhando a conta no epb o swift chega pelo canada bank então o jp morgan faz o trâmite.

    – Citibank (Atualizado com as dicas do Anonymous)
    Comprovamos que o Citibank NÃO FAZ envio direto para St. Vicent e Granadines, sem a necessidade de bancos intermediários.
    Isto faz com que o processo tenha que ser feito diretamente com o seu gerente de relacionamento.
    É necessário instruir o gerente, para ele peça autorização a central de câmbio do Citibank, e faça o meio de campo para envio.
    Ou seja, você terá que disponibilizar para o seu gerente de relacionamento as instruções de envio.
    Com isto, o gerente irá realizar o trâmite designado “Contrato de Câmbio”.
    No contrato de Cambio, exija que o “Código da Natureza” seja 50600, que pela descrição seria “Teletransmissão”.
    Ou se preferir, peça para ser enviado como “Manutenção de Residente no Exterior”, mas vai depender muito do seu gerente de relacionamento.
    O IOF ainda é de 0,38% para este tipo de operação.
    Após o gerente finalizar a operação de envio, a conta será creditada em poucos dias (Entre 3 a 4 dias úteis)

    14 – Enjoy your money far from here. 😉

    Em breve atualizações de como conseguir o cartão do banco. :-D”

  • Mineirausfall 26/04/2017 at 00:29

    Dica postada por RicardoSP:

    “Sala do Investidor”, do Banco Central

    http://www.bolhabrasil.org/especulacao-financeira-que-motivou-atentado-contra-time-alemao/#comment-353749

  • rene 26/04/2017 at 09:20

    Bom dia pessoal,

    Tempos atrás vcs postaram links para acompanhamento do juros futuros (se não me engano post do pandeiro).
    Seria possível postar novamente pois não estou encontrando a informação?
    Obrigada

    • Mineirausfall 29/04/2017 at 20:17

      Os índices citados pelo Pandeiro estão aqui.

      ‘http://www.bolhabrasil.org/unica-fabrica-socialista-brasil-afunda-em-dividas-e-fecha-por-nao-pagar-energia-eletrica/#comment-352481

      Aqui foram colocados links para acompanhamento dos índices de juros futuros.

      ‘http://www.bolhabrasil.org/o-que-e-desinformacao/#comment-161448

      ‘http://www.bolhabrasil.org/fake-news-se-volta-contra-extrema-esquerda-cia-usa-4chan-contra-trump/#comment-285456

  • From_The_Tower 01/05/2017 at 09:20

    Impostos sobre o ganho de capital – Recursos originariamente em reais

    Vamos supor que você fez uma transferência de U$ 10 mil e esse valor foi usado para comprar ações ou aplicado em fundo de investimento. Você deve converter o valor na data da aplicação para reais de acordo com a cotação do dólar fixada para venda pelo Banco Central do Brasil. Não é o dólar no preço que você pagou para enviar, mas sim o preço do dia que realizou o investimento. Sobre a variação cambial, se positiva, e caso o valor permaneça em conta corrente, não há incidência de imposto e essa variação deve ser colocada na declaração anual de IR em “rendimentos isentos e não tributáveis”. Suponha, então, que no dia da compra, o dólar estivesse cotado a R$ 2,50. Ao vender as ações ou resgatar o fundo, vamos dizer que você recebeu U$ 12 mil dólares. Vamos dizer também que a cotação do dólar no momento da venda estava em R$3,50. Deve-se usar a cotação de compra do Dólar Americano no site do Banco Central do Brasil correspondente ao dia em que você recebeu o valor. Então você receberá R$42 mil. O lucro da operação foi de R$ 17 mil. Sobre esse lucro, deve-se pagar 15% a título de imposto, o que totalizaria R$ 2.550,00. Esse valor deve ser pago através de preenchimento de DARF, código 8523 (Ganhos de capital decorrentes da alienação, por pessoa física, de bens ou direitos e da liquidação ou resgate de aplicações financeiras, em moeda estrangeira) até o último dia útil do mês seguinte ao fechamento da operação.

    Caso o volume de venda de ações não ultrapasse R$ 35 mil reais no mês, existe a isenção do imposto sobre o ganho de capital, pois é considerado ganho de “pequeno valor”. É a mesma regra dos R$ 20 mil reais de isenção para venda de ações no Brasil, só que o limite de isenção para ações no exterior é maior. No exemplo dado, se o investidor resolvesse vender metade das ações em um mês e a metade no outro, não haveria incidência de imposto.

    http://www.investidorinternacional.com/2015/09/17/tributacao-de-investimentos-no-exterior/

  • Seifer_POA 11/06/2017 at 10:44

    Galera a modal corretora está cobrando 0,20 cents o contrato mini índice.

    Vcs tem coragem ?

    Estava lembrando que teve uma corretora que quebrou esses tempos…. Como será que ficou a grana da galera ?

    Espero que a rico melhore o preço.

    Bancodata atualizado e bancos pequenos sofrendo. Mas, vamos que vamos.

  • Mineirausfall 01/07/2017 at 11:23

    Esses são pra quem pode…

    Títulos de dívida de outros países.

    -http://www.bolhabrasil.org/caesars-quer-investir-r-7-bilhoes-para-ter-3-cassinos-no-brasil-geimes-via-nunes/#comment-398289

    -http://www.bolhabrasil.org/caesars-quer-investir-r-7-bilhoes-para-ter-3-cassinos-no-brasil-geimes-via-nunes/#comment-398510

    -http://www.bolhabrasil.org/um-conto-de-joao-e-maria-mises-org/#comment-398839

    -http://www.bolhabrasil.org/um-conto-de-joao-e-maria-mises-org/#comment-398957

    Esse tópico serve tanto para títulos, quanto para ações.

    -http://www.bolhabrasil.org/manual-de-fuga-pandeiro-investimentos-nos-eua/

  • big bolhudo 19/07/2017 at 12:59

    Complementando o manual de fuga do padeiro:

    Sobre a Interactive Brokers, consegui abrir uma conta com depósito inicial de $1k, lembro de ter visto aqui e também no sites deles a exigência de $10k inicial, mas mandei só $1k e aceitaram de boa.

    • From_The_Tower 01/08/2017 at 15:16

      aí é bonito !!!
      Parabéns !

  • From_The_Tower 01/08/2017 at 15:17

    Galera, texto importante do MND sobre operações na modalidade Swing Trade com contratos de mini dólar

    “Para segurar uma posição de um dia para o outro, é necessário um depósito de margem na corretora. Mas, ao contrário do day-trade, esse valor é maior e fica realmente “travado”. Só é liberado de volta para a sua conta em D+2 após o fechamento da posição.
    O tamanho da margem varia de acordo com parâmetros de risco definidos pela própria BM&F, e cabe a cada corretora simplesmente repassar esse valor ou então solicitar um valor maior. Hoje, os mínimos da BM&F estão na casa de R$4800,00 por WDO e R$2500,00 por WIN.

    Os ajustes diários são debitados (ou creditados) da sua conta na corretora de acordo com a variação diária do preço. São calculados com base no seu preço de entrada e o preço de ajuste diário divulgado pela BM&F no fim do pregão (as regras de cálculo desse valor estão definidas no site da BM&F, no dólar é uma média ponderada dos negócios realizados entre 15:50 e 16:00, no índice é parecido, só que em outro horário que não lembro agora de cabeça). Os ajustes são o mecanismo de controle de risco da contra-parte, é a forma que bolsa faz para evitar calotes, pois o resultado da operação é ajustado dia após dia, sem “surpresas” no fechamento da operação.

    Enquanto algumas corretoras aceitam valores aplicados em títulos públicos (TD, por exemplo) como lastro para a margem inicial, o ajuste é debitado do saldo líquido na conta da corretora (caso seja negativo). Então, para manter a posição em aberto, é importante manter um montante líquido disponível na conta da corretora para absorver os ajustes conforme o necessário. Se não tiver dinheiro disponível suficiente para cobrir o ajuste, a corretora pode fechar a sua posição ou então te enviar uma chamada de margem (solicitação de depósito para cobrir o que faltar).

    O ajuste funciona assim. Se você está comprado e o ajuste vem acima do seu preço de entrada, a diferença é creditada na sua conta em D+1. Se o ajuste sair abaixo do seu preço, a diferença é debitada. O inverso ocorre para posições vendidas (ajuste acima da entrada = débito, ajuste abaixo da entrada = crédito).

    Quanto você fecha a posição, a diferença relativa ao preço de saída e o ajuste do dia anterior é creditada (ou debitada) em D+1 também. Ou seja, se você fechar uma compra abaixo do ajuste do dia anterior, em D+1 na verdade você terá um débito na sua conta, justamente relativo à essa diferença.

    No vencimento dos contratos, se você não fechar a operação, em D+1 é feito o crédito/débito referente ao último ajuste do contrato e em D+2 você recebe de volta a garantia depositada inicialmente (isso se não abrir outra posição). Como o resultado da operação já veio sendo ajustado dia após dia, no vecimento resta apenas a diferença final para ser ajustada. Mas isso para os contratos com liquidação financeira (índice e dólar, por exemplo). Alguns agrícolas possuem liquidação física, que envolve a entrega da mercadoria em si no vencimento, então é um pouco mais complicado o processo… ?

    A famosa “rolagem” é simplesmente fechar a posição no contrato vincendo e abrir uma nova posição, de mesma direção, no contrato que entra em vigor. O custo é apenas das corretagens + taxas bolsa envolvidas nas duas operações.

    Não sei se você já percebeu, mas todo contrato futuro possui um valor referentes a juros embutidos. No dólar isso é mais evidente. No primeiro dia de negociação do contrato, a diferença do DOLFUT em relação ao comercial é justamente os juros. Com o passar dos dias, essa diferença vai diminuindo até que no vencimento, o valor do DOLFUT iguala o comercial (juros zero). Ou, sendo mais específico, o ajuste final do contrato DOL é exatamente a PTAX final do mês.

    No índice funciona igual, mas é um pouco menos evidente. Porém, muitos fundos fazem uma operação chamada cash-and-carry que é justamente para ganhar esse diferença. Resumidamente, eles vendem IND e compram IBOV à vista (via compra direta das ações na mesma proporção em que compõem o IBOV).

    Falo dos juros pois é uma espécie de “decaimento” do preço ao longo do tempo, e mais um fator para levar em conta no swing-trade, principalmente em operações compradas. Mas o impacto é pequeno, no DOL os juros tem começado em 30 pontos no primeiro dia do mês. Ou seja, se você comprar um contrato de dólar no primeiro dia do mês e segurá-lo até o vencimento, e considerando que a cotação do comercial não se altere em nada, o ajuste final do contrato seria 30 pontos abaixo da sua entrada, justamente devido à parcela de juros progressivamente menores.”

  • From_The_Tower 01/08/2017 at 15:18

    Comentário aleatórios que eu vou salvando no Bloco de Notas

    Money Addicted (19/12)
    diria mais quase um inverso do buy-and-hold, estou no sell-and-leave.

    de tanto tentar acertar os topos e fundos estou testando uma estrategia diferente tem uns 2 anos ja, q consiste basicamente em vender acoes e alugar no mercado para honrar a venda, ai eu pego o dinheiro da venda e compro CDBs.

    a diference entre as taxas q pago d aluguel e recebo de rentabilidade do CDB da uns 0.50% mensal.

    Ai “espero” o mercado virar na minha direcao e enqto nao vira eu “lucro” 0.50 ao mes sobre um dinheiro q “nao tenho”

    tem q ter um certo estomago, pois nessa ultima operacao eu comecei a vender logo apos o impeachment e fui vendendo, ai fiquei negativo por um bom tempo e por um valor consideravelmente.

    mas agora minha vez chegou e estou lucrando na operacao de venda em si mais os 0.50

    Sugiro acessarem também o site “Messem no Alvo”, é de um antigo analista da L&S, o cara mais didático na minha opinião entre eles. E melhor, tudo gratuito.

    O Leandro realmente é muito inteligente, o cara tem uma visão além do alcance.

    OK, um glossário básico dos termos que eu uso mais:
    Vti- código de negociação na bolsa do etf do fundo Vanguard total market. Basicamente é um fundo que possui ação de todas as empresas americanas negociadas na bolsa (cerca de 3600 na última vez que olhei).
    Vanguard- eh uma companhia americana que iniciou o processo de fornecer etf de custo baixo acompanhando os índices de mercado para a população em geral. Fundada por Jack boogle.
    Ishares- uma companhia americana que fornece fundos de investimento. Eles possuem hoje alguns fundos com custo menor do que os dá Vanguard.
    Ivv- eh um etf americano dá ishares (acho) que segue o índice sp500 dá bolsa americana.
    Ivvb11- código de negociação de um fundo sediado no Brasil que compra cotas do ivv nos EUA. Simplificadamente ele pega dinheiro aqui no Brasil e compra cotas do ivv no exterior. Como eh negociado aqui ganhou o “b” no final do código e o numero.

    Primeiro: Função de HASH. Vamos começar com matemática. Uma função de hash é uma função unidirecional, ou seja, dado uma palavra “A”, chegamos num valor “B”, mas dado B, não chegamos de volta num único A. Vamos usar nessa explicação o algoritmo MD5 (https://pt.wikipedia.org/wiki/MD5)

    Exemplos:
    A = gax71j4xmuYdx5ZD
    B = MD5(A) = 06297e2ef2c1b1f777490f56fa249e4c

    A = A2Mt3jnSzHxt8W2U
    MD5(A) = aaaae5a3315583db42330a732787b426

    Segundo: Definição de moeda. Vamos estabelecer um critério para determinar o que é moeda e o que não é. No nosso exemplo, vamos admitir que todos os hashes que se iniciam com ‘aaaa’ são considerados “moeda digital”.

    Então no nosso exemplo: “gax71j4xmuYdx5ZD” não é uma moeda, pois seu hash se inicia com ‘0629’, mas “A2Mt3jnSzHxt8W2U” é uma moeda, pois seu hash começa com ‘aaaa’.

    Terceiro: Mineração: Sabendo agora o que é uma moeda, podemos iniciar a mineração, que nada mais é que testar aleatoriamente combinações de letras para ver se seu hash começa com ‘aaaa’. É um exercício de força bruta que consome processamento.

    Quarto: Blockchain: O blockchain não tem, a princípio, nada a ver com o descrito acima. Trata-se unicamente de um “livro aberto”, armazenado em sua totalidade por todos os “nós” participando da rede, que simplesmente registram mensagens.

    Quinto: Direito de propriedade. Aqui é o pulo do gato do bitcoin. O blockchain registra os “sucessos” de mineração, ou seja, ele registra quem foi o fulano que primeiro descobriu que “A2Mt3jnSzHxt8W2U” é uma moeda. Esse processo é descentralizado e confirmado por nós independentes. Adicionalmente as tentativas fracassadas (como o “gax71j4xmuYdx5ZD”) também ficam registradas para que ninguém perca tempo processando algo que sabidamente não é moeda.

    Sexto: Transações. Aqui entra o blockchain também. Basicamente emite-se uma mensagem do tipo “a propriedade da moeda ‘A2Mt3jnSzHxt8W2U’ mudou do fulano para o beltrano“. Essa mensagem também é confirmada por nós independentes da mesma maneira que a mineração.

    E só. Analisando todas as transações de um “Fulano”, chega-se no seu saldo da carteira. Como a rede é aberta e o blockchain é o mesmo para todo mundo, todos chegarão à mesma conclusão de quanto um fulano tem de saldo. Aí se um fulano que não tem saldo tenta mandar um bitcoin para um Ciclano, a rede vai concluir que ele não tem saldo e não irá registrar tal transação.

    No mundo real, a função de hash é bem complexa e considera o número de nós minerando, de maneira a tornar a taxa de acerto uniforme, independente da quantidade de mineradores que existem. Mas o básico do basicão é isso aí.

    Pobre Paulista 13/04/2017
    Olha, usando aquela estratégia do ponto base, de uma maneira bem simplificada, eu faria assim: 1/3 em TD Selic, 1/3 em BOVA11 e 1/3 em IVVB11. Deixa e esquece, acompanha mensalmente, se desbalanceou rebalanceia, e dane-se se a selic está 3% ou 75%.

  • From_The_Tower 01/08/2017 at 15:19

    Vou facilitar a vida dos miguxos do blog que se interessaram pelos relatórios do Barsi:

    Semana 1 – Ações Garantem o Futuro
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-1.pdf
    Semana 2 – Antes de Investir
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-2.pdf
    Semana 3 – Como Começar a Investir (Parte 1)
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-3.pdf
    Semana 4 – Como Começar a Investir (Parte 2)
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-4.pdf
    Semana 5 – Como Começar a Investir (Parte 3)
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-5.pdf
    Semana 6 – Como Começar a Investir (Parte 4)
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-6.pdf
    Semana 7 – Desafio do Investidor
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-7.pdf
    Semana 8 – Analise a Administração
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-8.pdf
    Semana 9 – Perguntas e Respostas
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-9.pdf
    Semana 10 – Perguntas e Respostas
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-10.pdf
    Semana 11 – Perguntas e Respostas
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-11.pdf
    Semana 12 – Perguntas e Respostas
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-12.pdf
    Semana 13 – Perguntas e Respostas
    https://s3.amazonaws.com/suno-downloads/luiz-barsi-semana-13.pdf

  • Axio 03/08/2017 at 17:55

    https://www.portfoliovisualizer.com/
    -Backtest Portfolio
    -Asset Correlations
    -Monte Carlo Simulation
    -Timing Models
    -Portfolio Optimization
    -Free
    ‘https://www.quora.com/What-is-the-best-tool-to-backtest-a-portfolio-online

  • Mineirausfall 14/08/2017 at 04:33
  • Mineirausfall 02/09/2017 at 05:11

    Pesquisa de cotações de câmbio (RicardoSP e Soretinho):

    -http://www.bolhabrasil.org/por-que-investimento-ruim-e-pior-do-que-nao-investir/#comment-445568

    -http://www.bolhabrasil.org/boteco-keep-always-to-the-right/#comment-446019

  • Mineiro 22/10/2017 at 20:04

    Boa noite senhores
    Qual a opinião de vocês sobre Bitcoin e moedas digitais ?

  • Barnabezinho 02/11/2017 at 20:47

    Médico investidor 02/11/2017 at 08:18

    Strokes, pra explicar sobre a diferença de fii vs renda fixa: quando vc contrata uma LC qualquer coisa ou um TD vc tem a seguinte situação: vc vai receber ao final do contrato o seu principal(o dinheiro que você aportou) mais os juros. No fii vc vai receber ao final (imaginando que você mantenha pelo mesmo prazo, já que fii não tem prazo definido de forma geral) suas cotas mais os rendimentos (os rendimentos são isentos de ir). Só que nos dois casos temos que considerar a inflação. A inflação diminui o valor tanto do seu principal quanto dos juros na renda fixa (e eh por isso que mesmo os títulos IPCA+ sofrem com aumentos da inflação) e tanto das cotas quanto dos rendimentos nos fii. Embora o efeito não seja nominal todos sabemos que ele está ali. A questão eh que o valor da cota do fii varia conforme o mercado (estamos comparando renda fixa com renda variável, os riscos são diferentes e os retornos também.), Logo se ela simplesmente acompanhar a inflação e se os alugueis estiverem sendo reajustados pela inflação o resultado final será bem maior, mesmo que você venda suas cotas com lucro. Já se o valor da cota for caindo você apanha duas vezes, tanto da inflação quanto da queda do valor do fii, e o prejuízo eh dobrado. Particularmente tenho parte do meu patrimônio em fii comprados há anos, cerca de 20% do total, e considero um ótimo veículo para fluxo de caixa. Pinga dinheiro todo mês, e esse ano eu tenho retirado esse dinheiro pra pagar minha viagem para Portugal ano que vem. Algumas cotas realmente estão abaixo do valor investido, outras muito acima mas na média elas estão acompanhando a inflação e os rendimentos foram reajustados um pouco abaixo mas bem próximo da inflação. Quando o Brasil melhorar (essa crise NAO vai durar pra sempre) se eu quiser vender irei obter um retorno adequado. Eu só acho fii adequado para uma carteira de investimentos se você não tiver um prazo definido para retirar o dinheiro. Tem que ser dinheiro investido pra vida toda, pra vc não ser obrigado a vender em um período ruim.

  • Mineirausfall 04/11/2017 at 18:46

    Comparativos entre corretoras.

    -http://www.bolhabrasil.org/anti-educacao-moderna/#comment-79496

    -http://www.bolhabrasil.org/necessidade-de-assumirmos-o-controle-de-nossa-vida-financeira-terceira-parte/#comment-286003

    -http://www.bolhabrasil.org/e-segunda-que-beleza/#comment-209457

    -http://www.bolhabrasil.org/boteco-da-inseguranca-das-profundezas-do-hellen/#comment-463962

    -http://www.bolhabrasil.org/por-que-quase-ninguem-viaja-para-o-brasil-superenterecante/#comment-489429

  • From_The_Tower 05/01/2018 at 14:58

    Pastinha do Especulador Financeiro By Chapolin Colorado Azul feat Bellini
    estudos de renda variável + educação financeira
    https://drive.google.com/drive/u/0/folders/0B3zPBYtej7L1eXZXMG85dzQwOTA

    • bhbolha 05/01/2018 at 15:33

      Obrigado.

  • From_The_Tower 05/01/2018 at 14:58

    Pastinha de mini Curso do Tesouro Direto
    Investimentos Banco Inter
    Calendário de pagamentos dos Cupons do TD – PNC
    https://drive.google.com/drive/folders/0BzsavMgk-px6NFFCb0ticExIUVk

  • windville 07/01/2018 at 12:01
  • Axio 13/01/2018 at 19:46

    Quem está a pensar em colocar uns paus num fundo cambial sugiro considerar realizar hedge com contrato de mini dólar futuro (WDO).
    Digamos que fosse aportar 10k USD (i.e. 32k BRL) em um Fundo cambial com tx.adm. de 0,85%, por 9 meses.
    Alternativamente poderias comprar um contrato WDO, o valor alavancado seria os mesmos 10k USD (32k BRL); a variação máxima diária permitida é de 6% logo teria que deixar em CC ~2k BRL; a garantia exigida pelo contrato pode ser feita com uma aplicação do TD (ou outra aplicação de renda fixa que tenha lastro) e deve cobrir 30% do valor alavancado (~9,6k BRL). Como consequência o contrato WDO deixaria ~30k BRL (valor alavancado 32K BRL menos valor para cobrir as variações diárias ~2k BRL) livres para aplicar em renda fixa (rendendo digamos ~4% juros reais). O custo mensal por contrato é de cerca de 30,00 BRL (contratos com vencimentos longos não podem ser feitos via homebroke da XP só via balcão, não sei como é noutras corretoras). O IR é de 15% sobre lucro líquido descontando as taxas operacionais (IR de 20% caso daytrade).
    Como vantagens adicionais do WDO temos a possibilidade de usar ordens de start para comprar ou vender o contrato aliado ao IR fixo. As desvantagens: o pagamento do IR é feito via Darf e o balanço das notas de corretagens é diário.
    Outras desvantagens dos fundos cambiais: quanto mais cedo resgatar maior será o IR, quanto mais tarde resgatar maior será a tx. adm. (subtraída diariamente das cotas), finalmente muitos fundos não aportam 100% em ativos atrelados a USD.
    Uma rápida comparação:
    – Cotação inicial 3,2; duração 9 meses (fundo: IR do 20%, tx.adm. de 0,85%; WDO + Renda fixa de 0,57% a.m.)
    – Cotação final 3,5: Fundo 6% (0,76% a.m.) x WDO 11,95% (1,33% a.m.)
    – Cotação final 3,5: Fundo 11,83% (1,31% a.m.) x WDO 17,26% (1,92% a.m.)
    – Cotação final 4: Fundo 19,33% (2,15% a.m.) x WDO 25,23% (2,8% a.m.)
    – Cotação final 2,7: Fundo -13,18% (-1,46% a.m.) x WDO -9,30% (-1,03% a.m.)
    Sugiro alocar valores que no caso da pior queda consumam no máximo 10% da sua carteira total. Caso isso ocorra o resto da sua carteira em BRL valorizara relativamente ao USD.

    Sobre o assunto recomendo http://www.bolhabrasil.org/topico-fixo-investimentos/#comment-425739

  • Mineirausfall 28/02/2018 at 07:46

    Livros de Análise Técnica, dica do Oriundo.

    http://www.bolhabrasil.org/ha-trinta-anos/#comment-555317

  • Mineirausfall 28/02/2018 at 07:49

    Investimento em ações de empresas monopolistas, dica do Pobre Paulista.

    http://www.bolhabrasil.org/dossie-completo-infiltracao-comunista-na-igreja-bernardo-kurster/#comment-554001

  • From_The_Tower 26/03/2018 at 15:14

    Parte I

    Onde investir meu dinheiro com a taxa SELIC a 6,50% a.a.?

    Posted: 25 Mar 2018 08:02 PM PDT

    Semana passada, o Banco Central anunciou o 12º corte consecutivo na taxa básica de juros da economia, a taxa SELIC, que roda, agora, no patamar de 6,50% a.a.

    Trata-se da menor taxa de juros de toda a série histórica do Banco Central, iniciada em 1986.

    Vale destacar que o BC acenou com um provável novo corte da taxa de juros na próxima reunião do COPOM, a ser realizada em maio, o que faria com que ela caísse para 6,25% a.a.

    A taxa básica de juros tem como um de seus principais objetivos o controle da inflação, cujo índice IPCA acumula, nos últimos 12 meses (até fevereiro de 2018), 2,84% de alta.

    Considerando que a taxa SELIC é a referência dos investimentos em renda fixa – Tesouro SELIC, CDBs pós fixados ao DI, LCAs, LCIs, fundos referenciados DI, dentre outros – e que, portanto, tais investimentos têm obtido rentabilidades nominais cada vez menores, a pergunta que não quer calar é: onde investir meu dinheiro com a taxa SELIC a 6,50% a.a.?

    Esse artigo se destina a fornecer reflexões sobre esse tema, a fim de fazer com que você prossiga no atingimento de suas metas não financeiras por meio dos investimentos.

    A pergunta está errada
    Comecemos do início: a pergunta está mal formulada. Ela está errada.

    Assim como eu já disse em diversas outras ocasiões aqui no blog, antes de investir seu dinheiro, você deve investir em sua educação financeira. Você só consegue as respostas mais adequadas para a sua situação pessoal se você tiver conhecimentos suficientes que lhe permitam tomar a melhor decisão levando em consideração suas circunstâncias pessoais.

    Dito isso em outros termos: não há receita de bolo pronta nesse assunto. O que pode ser considerado uma boa recomendação de investimento para você, pode ser péssimo para outro indivíduo.

    Portanto, é preciso reformular a pergunta, nos seguintes termos:

    Onde investir meu tempo e meu conhecimento com a taxa SELIC a 6,50% a.a.?

    Essa pergunta antecede a todas as demais. Investir tempo e recursos intelectuais na aquisição prévia de conhecimento é fundamental, a fim de evitar que você tome a pior decisão possível, que é a decisão de delegar a sua capacidade de pensar. Delegar as decisões de investimentos a terceiros, a pessoas estranhas, que mal conhecem – ou nunca conhecerão – sua real situação financeira, suas condições de vida, seu grau de tolerância a risco, suas particularidades quanto aos objetivos que você tem para a sua vida.

    É claro, é evidente, que a quase totalidade das pessoas que fazem a pergunta do título desse artigo querem uma maior rentabilidade. Querem ganhar mais do que modestos 6,5% a.a.

    Afinal de contas, até há pouco tempo atrás, títulos de renda fixa pós-fixados ao DI ou à SELIC pagavam mais de 14% a.a. de rentabilidade bruta, o que poderia significar ganhos líquidos nominais superiores a 1% ao mês, sem muito esforço.

    Embora a rentabilidade real fosse bem abaixo disso, por conta da inflação que também rodava na casa dos dois dígitos (resultando em juros reais líquidos entre 4% a 6% a.a.), ainda assim esses 14% a.a. deixavam muitos investidores na zona de conforto da renda fixa. Pudera: pra quê se aventurar com ações, fundos imobiliários e outros ativos de renda variável, se eu podia garantir meu 1% ao mês sem risco na boa e velha renda fixa?

    O cenário hoje mudou completamente. Quem deixa seu dinheiro no conforto da renda fixa irá pagar caro por esse conforto.

    É verdade que a inflação está aparentemente sob controle, mas mesmo assim, há um enorme custo de oportunidade em se deixar o dinheiro na renda fixa, rendendo, após deduzidos impostos, taxas de administração e inflação, menos de meio por cento ao mês.

    É preciso, portanto, estudar mais. Adquirir novos conhecimentos. Investir seu tempo no estudo.

    Se você pretende melhorar a rentabilidade de seus investimentos, certamente já deve ter ouvido por aí em alternativas como: títulos de crédito privado (debêntures, por exemplo), fundos multimercado, fundos imobiliários, e ações.

    A questão toda não é exatamente aplicar seu dinheiro nessas diferentes classes de ativos, mas sim averiguar se você adquiriu conhecimentos suficientes para investir nessas diferentes classes de ativos.

  • From_The_Tower 26/03/2018 at 15:15

    Parte II

    De nada adianta – ou pouco adianta – você dizer que resolveu aplicar em ações e fundos imobiliários, com o objetivo de ter ganhos maiores que os 6,50% a.a. da renda fixa, se você mal sabe como esses ativos funcionam, se você não estudou bem esses ativos antes de investir seu dinheiro. Por quê?

    Ora, porque os riscos são grandes – para não dizer enormes – de você liquidar essas aplicações assim que ocorrer uma turbulência mais forte nos mercados. Ou, o que é pior, de você vender antecipadamente esses ativos sem ter a paciência necessária para que tais investimentos amadureçam e colham os resultados que se esperam deles.

    Exemplos práticos
    Vamos a algumas respostas práticas que procuram responder a essa questão: “onde investir meu tempo e meu conhecimento com a taxa SELIC a 6,50% a.a.?”

    Se você não gosta de tomar riscos, é uma pessoa que se define como conservadora na hora de gerenciar sua carteira de investimentos, então você deve investir seu tempo e seus recursos intelectuais na aquisição de novos conhecimentos na classe da renda fixa.

    Isso mesmo.

    Nada impede que você tenha retornos superiores a 6,50% a.a. ainda dentro da classe da renda fixa, já que a renda fixa não se resume a CDBs DI, fundos referenciados DI, Tesouro SELIC. Há também os títulos prefixados e os atrelados a inflação, mas, mais do que isso, o mercado privado oferece também títulos e fundos com essa natureza de rentabilidade.

    Além disso, é possível tirar mais proveito da renda fixa, mesmo dentro das aplicações pós-fixadas ao CDI/SELIC, desde que estude algumas variáveis que interferem com a rentabilidade real líquida dos investimentos.

    As duas variáveis mais conhecidas, e que podem ser manipuladas pelo investidor, são a taxa de administração/custódia e o imposto de renda.

    A taxa de administração está ligada aos custos do emissor ou distribuidor dos títulos disponíveis para investimentos. Talvez você ainda esteja investindo sua reserva de emergência num fundo referenciado DI de um grande banco de varejo, com taxa de administração de 2% a.a. Por quê pagar tão caro para um fundo que basicamente faz gestão passiva de patrimônio?

    Aqui no blog já publicamos um artigo comentando sobre opções disponíveis no mercado, de baixíssimo risco, com taxas de administração iguais ou inferiores a 0,3% a.a. Em tempos de vacas magras na renda fixa, quanto menores forem as taxas de administração, maior será o rendimento líquido que você obterá no final. É como diz Warren Buffett:

    “É quando a maré está baixa é que vemos quem está nu”.

    Em relação aos impostos, é preciso prestar atenção não apenas à tabela regressiva de alíquota do imposto de renda, que será tanto maior quanto menor for a duração do investimento (a fim de incentivar investimentos por períodos maiores de tempo), mas também ao fato de que há no mercado títulos de renda fixa isentos de pagamento desse imposto, que, convenhamos, também tiram uma fatia significativa dos já magros rendimentos da renda fixa.

    Entre essas opções se incluem as LCAs, LCIs, debêntures incentivadas de infraestrutura etc. Normalmente, são investimentos que demandam prazos maiores de carência, tendo, portanto, uma liquidez mais restrita, além de apresentarem um grau de risco obviamente maior do que se você fosse investir diretamente em títulos públicos federais.

    No entanto, não deixam de ser alternativas para os investidores conservadores que não gostam de investir em renda variável.

    Giro de patrimônio: um grande risco
    Um dos maiores riscos para quem resolve sair da renda fixa para outras classes de ativos, sem investir previamente seu tempo na aquisição de novos conhecimentos, consiste no excessivo giro de patrimônio.

    Precisamente porque não fizeram o dever de casa, ou seja, não investiram tempo na aquisição de conhecimento antes de investirem seu dinheiro, tais indivíduos investem em outras classes de ativos, aos quais estão pouco familiarizados, totalmente influenciados por recomendação de especialistas em newsletters e relatórios, porque um youtuber fez um vídeo de recomendação, porque alguém em um fórum de discussões deu a dica etc.

    Percebam a diferença: eles não tomaram a decisão; eles simplesmente delegaram a tomada de decisão, e apenas executaram o que os outros disseram, recomendaram ou ordenaram.

    Esses daí são altamente suscetíveis a ficarem entrando e saindo dos investimentos, sem entender nada – ou entendendo muito pouco – do que fizeram. Como consequência, ficarão apavorados ao menor sinal de estresse a atingir tais tipos de ativos de risco.

    Não tenha dúvidas de que, caso a taxa SELIC eventualmente inicie um ciclo de alta, culminando num percentual de 14% a.a., esses investidores sairão dos investimentos de risco, pagarão altas penalidades por isso – seja na forma de uma alíquota de IR mais alta, seja na forma de prejuízo mesmo (porque compraram na alta e venderam na baixa), e voltarão para o conforto da renda fixa sem terem aproveitado os ganhos que os investimentos em outras classes de ativos podem proporcionar.

    Deixarão, no meio desse caminho completamente errado e tortuoso, não só dinheiro para: (a) o governo (na forma de impostos com alíquotas mais altas), e (b) os agentes do sistema financeiro (na forma de taxas de administração e outras despesas relacionadas aos custos dos investimentos), como também perderão uma enorme oportunidade de deixar os juros compostos desempenharem seu papel, de multiplicação do dinheiro pelo simples decurso do tempo.

    Como diz acertadamente Felipe Tavares, num excelente artigo que aborda exatamente o giro de patrimônio:

    “Devemos ter um plano, uma estratégia de investimento de nosso dinheiro, pois quem sua para ganha-lo e não quer vê-lo indo pelo ralo abaixo somos nós mesmos”.

    Conclusão

    Você certamente já ouviu falar de ações de crescimento, ações de valor, fundos imobiliários, títulos de renda fixa isentos de impostos, fundos multimercado, CDBs de bancos de segunda linha etc., como alternativas para diversificação de investimentos, e aumento da rentabilidade de sua carteira.

    Se nunca ouviu falar, basta acessar nossa Seção de Arquivos, e navegar pelas áreas que mais gostaria de conhecer.

    Não há mistério: se você quiser obter retornos maiores, terá que obrigatoriamente estudar mais. Eu não disse “terá que obrigatoriamente ir para ativos de maior risco” (embora isso seja também uma verdade), pois, para que esses ganhos se concretizem, é preciso saber lidar com os investimentos que apresentem maior risco. E isso, como se sabe, só vem com a prática. É muito fácil você se auto-proclamar um investidor que investe para o longo prazo. Difícil é agir em consonância com essa afirmação, ao se deparar com suas ações caindo 5% num determinado mês, ou seu fundo imobiliário não saindo do zero a zero após 3 meses de investimento.

    O objetivo desse texto, como você já deve ter percebido, não foi o de dar respostas prontas sobre a pergunta: onde investir meu dinheiro com a taxa SELIC a 6,50% a.a.? Sinto tê-lo(a) decepcionado(a), se o seu objetivo era encontrar uma solução fácil que viesse ao seu encontro.

    Acontece que não existe resposta correta, que seja universalmente válida para todos os leitores do blog. Aquilo que é bom para um pode ser péssimo para outro, como eu disse acima.

    A única resposta universalmente válida para o questionamento do título desse tópico é a recomendação para que você estude mais. Que você eduque sua mente. Que você se capacite mais.

    Invista seus recursos de tempo e de dinheiro também na aquisição de novos conhecimentos sobre os outros ativos existentes no mercado. Debata as ideias, teste e valide suas hipóteses de investimentos com outras pessoas, mas jamais delegue a função de pensar e decidir sobre seu próprio dinheiro, pois ninguém é mais interessado nesse assunto do que você.

    Não faça coisas nem assuma riscos que sejam incoerentes e incongruentes com seu perfil de risco, pois é plenamente possível melhorar a rentabilidade dentro da própria classe de ativos em que você já atua e domina, tomando-se, é claro, as precauções devidas.

    Além disso, tenha um plano de investimentos, uma estratégia, e vá aprimorando esse plano com o decorrer do tempo, à medida que você vai se aprofundando na arte de investir.

    A melhor resposta é aquela que só você mesmo pode se dar, baseada integralmente em seu nível de conhecimento, bem como sua bagagem acumulada de experiência. ?

  • From_The_Tower 09/04/2018 at 08:27

    Olá pessoal !
    Gostaria de fazer uma enquete sobre as contas bancárias no exterior.

    1) Você tem conta bancária no exterior? Sim.. qual banco e qual país?

    2) Como foi o processo de abertura? Possui custo fixo para mantê-la ?

    3) Está satisfeito com a conta bancária? Consegue transacionar facilmente ? (cartões e Internet Banking)

    4) Pretende manter a conta bancária aberta ? Ou irá focar no mercado financeiro nacional ?

    Obrigado a todos.

    • Joker 09/04/2018 at 09:41

      Fala, Pandeiro!!
      1/ Sim. BoA (USA), há 1 ano e pouco.
      2/ No local, passaporte, número de telefone dos USA (fiz uma conta no skype), usei endereço nos USA de um amigo que mora lá. Não possui custo mensal, desde que a conta depósito tenha no mínimo USD 1500 e a conta poupança tenha no mínimo USD 300. O meu custo para manter isso é o que pago no skype (que uso com certa frequência).
      3/ Satisfeito. Sim, fácil de usar. O cartão (débito) é utilizado em qualquer estabelecimento nos EUA. O internet banking é simples.
      4/ Sim!

      Acho que alguém poderia explicar melhor o que (e quando) declarar para o IRS!

    • Libertario 09/04/2018 at 09:45

      1) Sim, Wells Fargo – EUA.

      2) Apenas o passaporte. Foi super rápido, em menos de 30 minutos.
      Não possuo custo de manutenção de deixar 1500 dólares ou mais na conta.

      3) Ainda não testei transferências.

      4) Pretendo manter a conta aberta, mas não defini a estratégia de investimento. A princípio manter uns 30% de patrimônio por lá.

    • Portuga 09/04/2018 at 10:19

      Tenho duas. Vamos a elas:

      A) EUA

      1) Wells Fargo (aberta em 2016)

      2) Processo simples e rápido. Cartão de débito temporário ficou pronto na hora – e o definitivo me foi enviado pelo correio para o Brasil. Para estrangeiros, é necessário apenas o passaporte (no meu caso, informei também o Social Security Number – o qual possuo por ter trabalhado em 2008 num Taco Bell numas férias de faculdade). Fui muito bem atendido e ainda ganhei um cavalinho de pelúcia que virou presente pra minha sobrinha – kkk.

      Há vários métodos para evitar custos de manutenção (X utilizações de cartão de débito no mês OU Y transações online OU 1500 dólares parados na conta. Para a minha situação (morando fora dos EUA), essa é a melhor saída.

      OBS: Abri uma checking account (Conta corrente) e uma savings account (Poupança). Para a savings, o valor mínimo a deixar como aplicação para evitar a taxa de manutenção é de 300 dólares.

      3) Estou satisfeito. Já usei o cartão de débito – sem problemas. Ainda não testei transferências online.

      4) Pretendo manter a conta aberta como reserva imediata (em caso de merda grande) e para facilitar futuras viagens aos EUA. Não tenho o objetivo de engordar a conta.
      Entretanto, faço remessas semestrais de valores pequenos para manter a conta ativa.

      OBS: Contas sem movimentações ou acessos periódicos (ao menos uma vez por semestre) correm o risco de serem fechadas. Por isso, recomendo fortemente que os bolhistas que não pensam em utilizar com frequência lembrem-se de fazer movimentações periódicas.

      B) Portugal
      1) Activobank

      2) Além do passaporte, é necessário ter o NIF português (similar ao CPF). Cartão de débito definitivo ficou pronto na hora. Processo de abertura foi muito rápido. Para quem não tem um emprego em Portugal, é necessário um depósito inicial – cerca de 750 EUROS.
      A conta é similar à iConta do Itaú: 100% digital e gratuita.

      Atenção cidadãos portugueses que nunca viveram em Portugal: mesmo tendo o cartão de cidadão (equivalente ao RG), só se obtém um NIF se fizer a solicitação pessoalmente em Portugal – e com um outro cidadão Português com residência fiscal no país a assinar por ti.

      3) Bastante satisfeito. Cartão de débito funciona não apenas em Portugal, mas por toda a zona do EURO – já testado também para compras e saques na Espanha. Cartão de crédito – obtido depois de apresentar contrato de trabalho ao banco – também utilizado e aprovado. Online banking extremamente intuitivo e funcional.

      4) Por estar morando em Portugal, essa é a minha conta base. Ainda não decidi se mantenho a do Brasil ou se a encerro.

    • big bolhudo 09/04/2018 at 15:28

      Padeiro, tenho conta no Wells Fargo.
      O processo de abertura foi bem simples e rápido, foi necessário apenas o passaporte; saí na hora com cartão provisório, e o definitivo entregaram no Brasil mesmo.
      Não pago manutenção da conta (pedem saldo de $1500 para não cobrar, se ficar abaixo disso cobram acho q $10/mês).
      Acho tranquilo de usar, o cartão de débito passa no BR sem problemas (testei 1x) e é aceito em todo lugar nos EUA.
      Pretendo manter a conta aberta pois facilita para mandar $ pra fora para futuras viagens e também para investimentos (faço BR -> Wells Fargo ->Interactive Brokers)

  • From_The_Tower 09/04/2018 at 14:30

    Segunda chance

    Posted: 08 Apr 2018 08:02 PM PDT > Blog Valores Reais

    Uma breve história de Pedro
    Após concluir a graduação numa renomada faculdade de Administração, Pedro conseguiu engatar um MBA na Europa e, logo em seguida, obteve um emprego numa grande banco de investimentos, onde conseguiu uma meteórica ascensão profissional em menos de 3 anos. Aos 27 anos de idade, não só já tinha um invejável salário anual, de seis dígitos por ano (mais bônus), mas também reservas financeiras que, se quisesse, lhe poderia proporcionar uma vida de independência tranquila em poucos anos.

    Só que a tentação da ostentação acabou falando mais alto e, apesar de ler alguns livros sobre educação financeira logo no início de sua vida profissional, Pedro resolveu, ao longo dos anos seguintes, esbanjar e gastar tudo o que recebia, em festas, viagens, relógios e principalmente… carros.

    O problema surgiu quando ele foi demitido pela empresa, 4 anos mais tarde, aos 31, de forma repentina. Mesmo com enorme bagagem intelectual, e sólida experiência comprovada no mercado financeiro, ele demorou quase 1 ano para conseguir uma nova colocação. Pior: aceitou um trabalho que pagava metade do que ganhava na antiga empresa…

    Uma breve história de Paulo
    Ao contrário de Pedro, Paulo seguiu a cartilha das finanças pessoais de forma bastante metódica e racional. Tanto é assim que, aos 35 anos, já tinha um patrimônio que poderia lhe garantir uma boa renda passiva recorrente, apesar de os servidores do órgão em que ele trabalhava não terem conseguido obter os reajustes salariais que a categoria buscava.

    O problema de Paulo era outro: fumante compulsivo desde os 16 anos, sedentário, com sobrepeso, e tomando litros de café para se manter acordado todas as manhãs, era óbvio que mais cedo ou mais tarde a conta iria chegar.

    E chegou, numa manhã ensolarada do outono de 2017, quando, logo depois de tomar sua garrafa de 500ml de café, começou a sentir formigamento no braço direito, seguido de súbita perda de visão dos dois olhos, e uma forte dor no peito, que provocou um desmaio.

    Quando acordou, viu que estava na UTI. Paulo acabara de ser operado em função de um infarto que quase fulminou com sua vida…

    Simples: que na vida, muitas vezes não temos uma segunda chance de fazer diferente, mas, quando ela nos dá essa segunda chance, devemos agarrá-la com unhas e dentes, modificar nossos padrões de comportamento, e assim agir de outra forma, não só para não repetirmos os erros do passado, mas também para construirmos uma nova vida. Quantas vezes você já não se deparou com situações assim?

    Quantas vezes a vida não estava lhe emitindo “sinais” de que você precisava mudar seus hábitos, mudar seus relacionamentos, mudar suas ações, mas você insistia em seguir na estrada errada? Quantas vezes você já não precisou sofrer um baque, um susto, para se dar conta de que precisava mudar de atitude?

    Pedro teve a grande oportunidade de construir patrimônio de verdade, durante o primeiro ciclo de sua trajetória profissional. Estava ganhando um salário alto, bem acima de seus pares do mercado financeiro, empregado numa multinacional de respeito cuja filial no Brasil se destacava pelos polpudos ganhos atrelados aos resultados que estava obtendo – e Pedro havia sido fundamental para o sucesso da filial brasileira.

    Contudo, a tentação da ostentação acabou falando mais alto. E Pedro, ao invés de construir um patrimônio de ativos (ou seja, de coisas que colocam dinheiro no seu bolso, como ações pagadoras de dividendos, fundos imobiliários, títulos do Tesouro pagadores de juros), preferiu construir um patrimônio de passivos (ou seja, de coisas que tiram dinheiro do seu bolso).

    E no quê consistia esse patrimônio? Coleções de relógios, sapatos e ternos da moda – Calvin Klein, Brooks Brothers, Armanis. Coleções de carros importados, trocando de carro a cada virada de ano: começou com um Audi, continuou com um BMW, em seguida fez a troca por um Jeep, e no ano seguinte o trocou por um Jaguar. Antes de cair do topo, estava paquerando um Porsche Cayenne. E tudo foi por água abaixo quando veio o aviso prévio de demissão.

    Agora, tendo que reconstruir a vida do zero no competitivo e acirrado mercado financeiro, em uma empresa disposta a pagar apenas metade do que ele ganhava anteriormente, ele está tendo uma chance de ouro, uma chance de finalmente largar a vida desregrada, irresponsável e ilusória dos vinte e poucos anos, e começar uma vida mais equilibrada e mais saudável financeiramente, agora na faixa dos 30.

    O mesmo pode se dizer de Paulo. Como servidor ocupante de um dos cargos mais disputados em concursos públicos no Brasil, o problema de Paulo certamente não era a falta de capital intelectual.

    Conhecimento ele tinha de sobra, incluindo o conhecimento para lidar bem com as finanças pessoais, dado a sua capacidade de lidar com números – Paulo era engenheiro de formação – e de montar, controlar e monitorar planilhas e mais planilhas de investimentos e orçamento doméstico.

    O problema de Paulo era outro: a falta de habilidade de lidar com questões mais básicas, inerentes à sua própria saúde. Fumante inveterado desde adolescente, viciado em cafeína desde os tempos de cursinho preparatório para concursos públicos, com horas e mais horas passadas em frente ao computador, sem pausas e em situação de completo sedentarismo, e com uma alimentação completamente desbalanceada e regada com aditivos químicos, sódio, farinha branca e açúcares… tudo isso uma hora cobraria seu preço.

    Agora, tendo que reconstruir sua vida após a reconstrução de uma das veias de seu coração, em que ficou numa mesa de cirurgia durante longas 5 horas, ele está tendo uma chance de ouro, uma chance de finalmente largar a vida desregrada e irresponsável com sua própria saúde, que vivia até então, e começar, a partir do leito da UTI, uma vida mais ponderada e mais cuidadosa com sua saúde.

    Você pode estar na mesma situação de Pedro ou Paulo. Você.

    Talvez você tenha começado a se interessar por finanças há 7, 10 anos, com todo o gás: lendo livros e blogs, participando de cursos e seminários, fazendo planilhas de controle de gastos, e avaliando continuamente a evolução de seu patrimônio de ativos, que, de fato, estava em constante crescimento.

    Aí aconteceu alguma coisa no meio do caminho que fez você abruptamente – ou gradualmente – parar de fazer tudo isso. Pode ter sido uma sucessão de aumentos salariais expressivos, que fizeram você perder as rédeas das finanças, gastar além da conta, assumir um estilo de vida cada vez mais inflacionado, e consumir todo o seu salário com viagens, carros, “experiências” e outros bens e serviços exibíveis em redes sociais. Tudo ia bem, tudo ia bom, até o governo – ou a empresa onde você trabalhava – enxugar os gastos com pessoal. Parar de dar aumentos. Parar de dar bônus. Pior: fazer você cumprir aviso prévio, ou aceitar uma drástica redução de seu salário.

    E aí tudo isso acaba com a festa em sua vida: o dinheiro que antes dava para bancar as maiores extravagâncias, agora precisa ser contado centavo por centavo. As viagens precisam ser cortadas. Os cartões de crédito precisam ser cancelados. A barbearia gourmet precisava ser cancelada. O distrato do imóvel financiado precisava ser realizado. O carro precisava ser vendido. A festa, quem diria, a festa, precisava ser interrompida.

    Talvez o problema não seja com o seu dinheiro. Sua vida financeira pode até estar indo muito bem, obrigado. O problema pode estar na forma como você vinha conduzindo sua saúde até então.

    Você pode ter recebido um diagnóstico inesperado de diabetes mellitus tipo 2. Você pode ter recebido um diagnóstico inesperado – mas reversível – de tumor no intestino em estágio avançado ao fazer um exame de rotina (mas que de rotina não tinha nada, afinal, você nunca tinha feito uma colonoscopia antes, e só o fez por causa das dores terríveis de barriga que estava sentindo, e depois de muita insistência do terceiro médico ao qual você foi procurar ajuda).

    Não se envergonhe
    Enquanto há vida, há esperança.

    Muitas pessoas não têm uma segunda chance, principalmente se o acontecido for na área da saúde.

    Tem sido cada vez mais comum – e isso, quando acontece, é amplamente noticiado na mídia – casos de pessoas que morrem por doenças adquiridas – AVC, infartos, tumores malignos -, na faixa dos 30 e pouco aos 40 e pouco anos de idade. Casos de depressão também têm sido cada vez mais assustadores.

    São profissionais muito bem sucedidos em suas respectivas áreas – médicos, advogados, engenheiros, analistas do mercado financeiro, servidores públicos em cargos de alta concorrência, empreendedores de negócios em expansão, executivos de grandes empresas multinacionais – que sucumbem diante das inevitáveis pressões que a vida moderna exerce sobre um número cada vez maior de indivíduos.

    Sucesso na vida não ocorre apenas quando se tem êxito na vida financeira. O sucesso é medido também quando a pessoa redescobre que pode fortalecer sua saúde através de medidas simples e até prosaicas, que estimulam os diversos sistemas orgânicos do corpo (hormonal, pulmonar, cardíaco, neurológico, linfático etc.), a trabalharem de forma mais harmônica e não tanto prejudicial à saúde.

    Sucesso nas finanças terá pouco – ou zero – valor se tiver sido construído à base da destruição da vida familiar e dos relacionamentos. Até nessa área – vida familiar e relacionamentos – é possível ter uma segunda chance, de fazer diferente.

    No campo financeiro, o maior campo de batalha é aquele travado na mente, pois o mundo está repleto de oportunidades para fazer você perder dinheiro – e a cabeça, por via de consequência – com o consumo de coisas das quais você não precisa.

    Você deve estar cansado de ler sobre isso aqui no blog, mas eu insisto na repetição da mensagem, pois se você não ler aqui que é importante controlar os gastos, você vai ler aonde? No intervalo comercial de uma partida de futebol? Numa contracapa de revista? Num outdoor? Num intervalo de rádio? Entre um tweet e outro? Entre uma mensagem e outra de sua timeline no Facebook?

    Conclusão

    Tenha a coragem de mudar enquanto é tempo. Reconheça a importância e o valor de aproveitar as oportunidades enquanto elas ainda estiverem disponíveis.

    Se você só se deu conta agora, aos 47 anos de idade, que é importante ter uma reserva de emergências, de construir um plano particular de aposentadoria financeira, da necessidade de controlar os gastos através de uma planilha financeira, que ÓTIMO! Essa é a sua GRANDE chance de viver um futuro com menos dependência dos outros.

    A sua segunda chance de ter uma virada financeira pode estar se dando nesse exato ano de 2018. Você pode ter conseguido (finalmente!) um novo emprego, após meses sem trabalho. Você pode estar vislumbrando a convocação para a posse em um cargo público, após uma aprovação que veio depois de muitos anos de dedicação, quando nem você mesmo acreditava ser possível retomar os estudos e competir com gente mais nova. Você pode estar em vias de ser chamado numa bolsa de estudos, que dará uma guinada em sua vida profissional e acadêmica após anos de ostracismo. Você pode estar em vias de conseguir aquela promoção que tanto desejava na empresa. Ou você pode ver seu negócio próprio finalmente decolar, após anos de dificuldades e de ter que lidar com todo tipo de problema com funcionários, com impostos e com o jeito certo de fazer sua empresa conquistar e manter clientes.

    Se a chance é essa, trate de aproveitar as incríveis oportunidades que se descortinam bem diante de sua vista, com a segunda chance que a vida está lhe contemplando. Seja na saúde, seja nas finanças pessoais, seja ainda nos relacionamentos. Seja em qualquer outra área de sua vida, em que você tenha recebido uma segunda chance de fazer diferente, FAÇA! O seu futuro eu irá lhe agradecer pela nova tomada de decisão. ?

    • Intendente 09/04/2018 at 14:44

      Show de bola!

    • From_The_Tower 09/04/2018 at 14:51

      continua no Tópico Fixo > Investimentos

      • Pobre Paulista 09/04/2018 at 15:28

        Referencia circular

  • Oz 09/04/2018 at 15:41

    Belo texto!!!

  • Escreva seu Comentário (Ir para o início)